segunda-feira, 13 de abril de 2015

Os protestos continuam - Líderes de ato cobram firmeza da oposição

Os movimentos que foram às ruas em São Paulo neste domingo (12) contra o governo da presidente Dilma Rousseff (PT) também fizeram críticas à oposição, principalmente ao PSDB e ao senador Aécio Neves (MG), segundo colocado na disputa pelo Palácio do Planalto em 2014.
A cobrança central do MBL (Movimento Brasil Livre) e do Vem Pra Rua, organizadores dos atos, é por uma postura mais atuante em favor do impeachment da presidente.
Os senadores tucanos Aloysio Nunes (SP) e José Serra (SP) também foram cobrados para que seja instaurado no Congresso um processo de impeachment contra a presidente, assim como os presidentes da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e o do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). Todos eles se declaram contra o processo.
Kim Kataguiri, coordenador nacional do MBL, disse que a oposição não pode continuar com "uma postura frouxa". Já Renan Santos, também do MBL, criticou Aécio e disse que o tucano "sumiu" nas últimas semanas. Líder do Vem Pra Rua, Rogério Chequer cobrou em seu discurso "mais oposição, investigação e punição".
Aécio tem divulgado vídeos nas redes sociais para fazer convocação aos protestos, mas não compareceu a nenhuma das manifestações. O DEM ponderou que o tom dos protestos de hoje indicou que, agora, há um "objetivo comum: a saída de Dilma". O Solidariedade disse que irá procurar outros partidos para cobrar a defesa do impeachment.
Neste domingo, os deputados Paulinho da Força (SDD-SP), Roberto Freire (PPS-SP), Jair Bolsonaro (PP-RJ) e seu filho, Eduardo Bolsonaro (PSC-SP), eram os únicos políticos presentes no ato em SP. Segundo Bolsonaro, os políticos "têm medo de estar nesse movimento".
Data Folha.
Previous Post
Next Post

About Author

0 comentários:

O nosso Blog agradece a sua participação, mas não responsabiliza-se por qualquer comentário dos participantes. Todos os comentários serão moderados antes de aparecerem nas postagens. Use o bom senso.

Comente a postagem acima.

Postagens populares