sábado, 4 de julho de 2015

Contra crise maior, Dilma dará reforço a Temer

Saída de vice da articulação política agravaria dificuldades políticas e econômicas

Para evitar uma crise maior, a presidente Dilma Rousseff prometeu reforçar o trabalho do vice-presidente da República, Michel Temer, na articulação política. Por ora, diminuiu o risco de Temer deixar essa função.

Temer e Dilma acertaram os ponteiros em conversa ontem. Mas será preciso que a presidente honre os acordos feitos pelo vice e tome cuidado com a insatisfação no PMDB.

De fato, há contrariedade de Temer com a demora de ministérios em liberar verbas e fazer nomeações acertadas por ele para tentar melhorar a relação do Palácio do Planalto com a sua base de apoio no Congresso.

Ao longo deste segundo mandato, tem prevalecido um clima permanente de insatisfação dos aliados com o governo. A popularidade baixa do governo não ajuda a controlar os aliados. E peemedebistas dizem a Temer que o governo está fazendo água e que o partido deveria se afastar.

Ora, sem Temer, a situação caminharia dessa turbulência crônica para uma crise grave, pois poderia resultar numa ruptura antecipada com o PMDB. Isso seria jogar gasolina na fogueira de uma eventual discussão sobre impeachment.

Teria também efeito desastroso sobre a economia. Uma saída de Temer da articulação, ainda que mais à frente e sob a justificativa de que encerrou a votação do ajuste fiscal, seria interpretada como um afastamento da presidente e agravaria as dificuldades políticas e econômicas.

Se a articulação política está ruim com Temer, pior sem ele. Se o governo está ruim, pior sem ele. O vice-presidente ainda consegue conversar com políticos que se recusam a falar com os ministros petistas mais importantes.

Nas votações do ajuste fiscal, Temer fez parceria com o ministro da Fazenda, Joaquim Levy. Apesar de as medidas do ajuste terem sido desidratadas pelo Congresso, foi aprovado um conjunto mínimo que ajuda o governo a melhorar o resultado das contas públicas.

Também houve uma carona que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, pegou nesse imbróglio. Em conflito aberto com o PT por causa da redução da maioridade penal, Cunha sugeriu que Temer poderia sair da articulação política do governo.


Após uma sugestão desse tipo, Temer é praticamente obrigado a ficar, sob pena de passar a imagem de que seria comandado pelo presidente da Câmara. Sem querer, Eduardo Cunha ajudou Dilma a apagar o incêndio.
Blog do Magno.






Previous Post
Next Post

About Author

0 comentários:

O nosso Blog agradece a sua participação, mas não responsabiliza-se por qualquer comentário dos participantes. Todos os comentários serão moderados antes de aparecerem nas postagens. Use o bom senso.

Comente a postagem acima.

Postagens populares