AgresTV AO VIVO

segunda-feira, 2 de maio de 2016

Jornalista Marcolino Junior foi morto a facadas em quarto de motel, diz polícia


Executor do crime transportou corpo no porta-malas do carro da vítima.

Polícia Civil detalhou caso; colunista social foi encontrado morto no dia 18.

O jornalista Marcolino Junior foi morto a facadas dentro de um quarto de motel em Caruaru, conforme a conclusão do inquérito policial que investigou o assassinato, divulgada nesta segunda-feira (2). De acordo com a Polícia Civil, o executor do crime foi o suspeito preso após tentar vender o veículo do colunista social.

O corpo do jornalista e colunista social foi encontrado no dia 18 de abril, na zona rural de Sairé, no Agreste do estado. Ele estava desaparecido desde o dia 16.

A perícia apontou que o suspeito deu um golpe de jíu-jitsu na vítima e cerca de três golpes de faca. A causa da morte foi o "choque hemorrágico causado por ferimento perfuro-cortante". O instrumento utilizado foi encontrado em São Caetano, na casa de uma mulher com quem o suspeito tinha um relacionamento.

Foram encontrados sangue no travesseiro do quarto e nas escadas do motel. Segundo o delegado Marcio Cruz, o corpo da vítima foi transportado no porta-malas do carro do próprio Marcolino. Em seguida, foi desovado em um matagal.

Ainda não há informação se Marcolino foi dopado, antes de ser assassinado. O exame toxicológico está sendo feito no Instituto de Medicina Legal (IML) do Recife.

Assessor pessoal era mandante

A investigação da Polícia Civil também confirmou que o assessor pessoal de Marcolino teria sido o mandante do crime. Segundo os delegados, ele monitorou toda a ação executada pelo outro suspeito preso.
A polícia acredita que um dos motivos para o assassinato foi o interesse do assessor pessoal nos bens da vítima. "Ouvimos [o assessor de Marcolino] e constatamos que ele reclamava constantemente do salário que recebia. Ele se mostrava insatisfeito por receber R$ 200 por semana", informou ao G1 o delegado Marcio Cruz, no início das investigações.

De acordo com a polícia, o assessor será indiciado por latrocínio. Já o suposto executor do crime será indiciado pelo latrocínio e por ocultação de cadáver.
O suspeito reclamava de receber R$ 200, diz delegado sobre morte de jornalista
Assessor pessoal de jornalista morto planejou crime, diz delegado em PE
Corpo de jornalista desaparecido é encontrado em Sairé, diz Secretaria
Perícia
A perícia realizada no dia 20 de abril  no carro do jornalista  encontrou marcas de sangue no porta-malas do automóvel. A informação foi confirmada pelo perito criminal Carlos Henrique Tabosa em entrevista à TV Asa Branca. O perito disse que o colunista social teria sido transportado no porta-malas do próprio carro.







Previous Post
Next Post

About Author

0 comentários:

O nosso Blog agradece a sua participação, mas não responsabiliza-se por qualquer comentário dos participantes. Todos os comentários serão moderados antes de aparecerem nas postagens. Use o bom senso.

Comente a postagem acima.

Postagens populares